Livros

Gabriella Regina — Autora nacional queridinha

27 de junho de 2016

Conheço poucos autores nacionais atuais, não porque eu não goste de ler porque eu amo ler, mas porque as vezes eles não são valorizados à ponto de chegar tão fácil até o leitor.
A minha autora nacional favorita da vida é uma catarinense chamada Gabriella Regina (ou Gabes para os mais queridos) e eu vim apresentar o trabalho dela pra vocês.

12718391_840614972709669_8703285978454191748_nGabriella Regina nasceu na cidade Itajaí – SC em 1994. Começou à escrever com 12 anos e já tem 10 livros prontos para vocês conhecerem. Hoje com 21 anos, mora em Florianópolis • SC e diz que a inspiração para escrever vem sempre à noite, não que isso seja uma regra já que quando chega a vontade, ela escreve a qualquer momento.

“Nenhum escritor é normal. Um escritor é, no mínimo, mentalmente desequilibrado”

Ela escreveu três do meus livros favoritos:

livros-gabriella-regina1. Harvard (ed. Amazon, 2015)

Até onde você iria para reconquistar o seu amor?
Niels Janowski está sofrendo por sua namorada ter terminado com ele na semana anterior à da data especial para os casais: o dia dos namorados. Seus amigos, como bons amigos que são, resolvem levá-lo a uma festa para pessoas que odeiam o dia dos namorados para que Niels encontre alguém para lhe consolar. Mas, diferente disso, Niels conhece Harvard, uma garota ruiva e inteligente, aparentemente meio louca, que se compromete a tornar Niels um perfeito romântico e ajudá-lo a reconquistar sua ex-namorada.

2. A garota que não pode morrer — Série Midnight Livro 1 (ed. Amazon, 2016)

Liv não pode morrer.
Com uma regeneração fora do comum, todas as suas tentativas de suicídio foram falhas. Conformada de que teria de viver escondendo sua suposta aberração de todos, a última coisa que ela esperava era um convite para participar de um circo de horrores, o Midnight Tsirk, um lugar onde não precisará se esconder ou achar que é uma aberração.

3. Demoníaco —Saga Asa Negra 1 (ed. Dracaena, 2011)

Diablo Ader é filha de uma relação entre Lilith e Lúcifer, que resolve sair do Inferno para trabalhar na Terra como caçadora de demônios.
Conhecida por sempre obter sucesso, os Anjos colocam nas suas mãos uma tarefa que, ao seu ver, era a mesma das outras: matar um demônio. Este, porém, seguia uma linha de terrorismo completamente diferente dos outros: ele estuprava e espancava adolescentes até a morte, porém, não deixava rastro algum.
Durante dias ela procura por ele e não obtém sucesso, até certo dia, em que ele deixa um forte rastro. Mas ela nunca imaginou que simplesmente correr atrás dele e matá-lo seria uma tarefa tão complicada… Ainda mais quando um resquício de paixão se coloca entre eles.

Na minha viagem até Santa Catarina eu tive a oportunidade de entrevista-la pessoalmente para o Quase Mineira, eu fiquei super nervosa claro, mas a Gabes é uma querida ♥ Confiram:

Se você estava procurando uma autora nacional atual pra ler esta aí Gabriella Regina!

E então, alguém conhecia? Não veem a hora de ler um dos seus livros? Deixem nos comentários!
Beijão

Livros

Até o fim da queda — Ivan Mizanzuk

25 de junho de 2016

Até o fim da quedaTítulo: Até o fim da queda
Autor: Ivan Mizanzuk 
Primeira publicação: 2014
Editora: Draco
Ano: 2014
Páginas: 244
Classificação: 1/5
Skoob | Goodreads

Sinopse: 1993. Em pouco tempo sete jovens se suicidam, e rumores sobre um ritual ganham as páginas dos jornais. A polícia descarta a opção e dá o caso como encerrado. Anos se passam e Daniel Farias, um popular escritor de terror, decide reconstituir o caso em sua nova obra. Durante a pesquisa, descobre histórias sobre uma ordem secreta operando em nome de um demônio, o Dragão Vermelho, cujas origens remontariam a um exorcismo ocorrido no século XVI, na Espanha.

~

Quando a Stephanie me contou que estávamos fechando uma parceria do blog com a Editora Draco, fui correndo olhar no catálogo e, dos livros disponíveis, este foi o que mais me chamou atenção. O mistério de um pacto suicida entre sete jovens é faz exatamente o tipo de mistério que eu tenho adorado ler ultimamente. Mas “Até o fim da queda” foi minha maior decepção literária deste ano (até o momento) e vou tentar explicar o porquê:

Sou obrigada a começar pelo posfácio:

“Eu não sei se o que fiz é exatamente “terror”. Deve ser, porque eu falo bastante de demônios. Mas isso pode ser questionado.”

Não. Na-na-ni-na-não. Não há um grama de terror neste livro, definitivamente. Terror é quando você fica, ao menos, apreensivo com o desenrolar que a história vai tomar. O que não é o caso.

Não sei se vocês lembram da resenha que fiz de Carrie, de Stephen King, algum tempo atrás. Ivan se aproveita da mesma estrutura de retalhos para contar sua história. Entre transcrições de entrevistas, audios e notícias, a história de “Até o fim da queda” vai sendo construída.

A sinopse havia me dado a impressão que leria sobre a investigação de Daniel Farias sobre o caso, um escritor-detetive que seria encarregado de desvendar o mistério que cerca a história dos sete jovens. Mas o máximo de “imersão” neste caso é uma notícia do ocorrido. “Até o fim da queda” mostra entrevistas de Daniel após a publicação de seu livro, juntamente com algumas cartas de Frei Marcos, que podem ser relacionados à irmandade do Dragão Vermelho e transcrições de entrevistas com um membro da irmandade.

Ao passo que o livro em si me decepcionou muito, um ponto forte foi a interpretação das Cartas de Frei Marcos. O que me leva a crer que a história teria muito mais apelo ao leitor se o formato de apresentação fosse diferente, se colocasse Daniel como personagem ativo, levando o leitor consigo enquanto realizava pesquisas e investigações a respeito do caso ocorrido em 1993 em vez de apenas jogar um punhado de informações desconexas ao leitor para que este faça então a seleção do que é relevante ou não e tente encontrar sentido nas conexões entre elas.

Fiquei bastante chateada com essa decepção, já que — como disse antes — acredito que a abordagem do livro deixou muito a desejar e acabou por desperdiçar uma premissa muito promissora.

Onde encontrar: Amazon | Submarino | Americanas | Saraiva | Livraria Cultura

52 Livros em 52 Semanas

Moda & Beleza

Semijoias: acabamento no capricho que cabe no orçamento

23 de junho de 2016

No filme ‘Eles Preferem As Loiras‘, Marilyn Monroe interpreta a canção “Diamonds are a Girl’s Best Friend”, eternizando o glamour dos diamantes e povoando o imaginário de milhões de pessoas, inclusive o meu. O encanto pela beleza de metais e pedras preciosas não diminuiu com o passar do tempo. Porém, nem todo mundo pode ou deseja investir muito dinheiro em uma joia né 🙁

landscape-1433872273-mcx-marilyn-monroe

Você já imaginou ter acesso a peças com acabamento perfeito e preço super acessível? Pois bem: as semijoias, um meio-termo entre as joias e bijuterias, vem conquistando cada vez mais espaço em diversos tipos de produções.
Elaboradas com materiais nobres, as semijoias são acessórios que contam com a sofisticação da joia e com o custo da bijuteria. O que difere a joia de uma semijoia é que a primeira é fabricada com ouro maciço e brilhantes naturais. Outra diferença entre ambas é a qualidade da pedra e a lapidação.

Agora não sei se já comentei com vocês, mas meu sogro é ourives, uma profissão bem antiga que trabalha com joias e coisas bonitas de metais preciosos… O foco do trabalho do sogro é a prata e foi com ele que tive o meu primeiro contato com este trabalho mais refinado porque antes no máximo eu tinha uma bijuteria folhada… #pobrezas

Vejam só alguns modelos semijoias que estão na minha lista de queridinhas e descubra qual é a sua cara:

semijoias

1 / 2 / 3 / 4 / 5 / 6 / 7 / 8

Onde comprar semijoias na internet?

Quer uma semijoia incrível para chamar de sua? Atenção na hora de investir em uma peça nova: escolher marcas de confiança é fundamental. No site da Pri Acessórios você encontra uma grande variedade de semijoias: todas as peças são elaboradas pela designer Pri Schiavinato. Chic né?

Na sua opinião, qual é a sua favorita? Deixe nos comentários!
Beijão