Acompanhe:
Categoria:

Design

    Design

    Tá, mas o que é design?

     

    O dia mundial do design gráfico é comemorado no dia 27 de Abril,  aniversário da Icograda (International Council of Graphic Design Associations), mas no Brasil temos também uma dia para a comemoração nacional: No dia 5 de novembro, em homenagem à data de nascimento de Aloísio Magalhães, considerado pioneiro do design moderno no país.

    Photo via Visualhunt.com

    Photo via Visualhunt.com

    Design ou designer?

    A troca dos termos acontece (e muito), tanto por quem está já familiarizado com o design e – mais ainda – com quem é completamente leigo no assunto. Mas não é difícil: Design diz respeito à profissão, ação. “Você fez um projeto de design”, “ela cursa faculdade de design”. Enquanto que Designer diz respeito unicamente ao profissional da área.

    Ou seja: Quem faz designer é a mãe.

    Mas e aí, o que é design?

    Ótima pergunta. Aliás, essa é, definitivamente, a pergunta que todo estudante de design mais deve ouvir durante a graduação. E o pior é: é uma pergunta bem difícil de responder.

    A tendência geral é entender que o design existe para tornar as coisas bonitas, mas o buraco é bem mais fundo que isso. O design é responsável por atrelar a funcionalidade à estética. Então, antes de mais nada, a função do design é atender à necessidade do projeto da melhor foma possível e, bom, não vai machucar se fizer isso de uma maneira mais agradável aos olhos né?

     

    Mas se tem uma coisa com a qual designers estão acostumados é com as mais diversas perguntas que se desenrolam quando alguém acaba de descobrir com o que você trabalha (ou estuda). Então reuni aqui algumas perguntas (e respostas) de conhecidos sobre a faculdade / profissão.

     

    Precisa saber desenhar? Tem que fazer curso de desenho por fora?

    Acho que essa deve ser, sem dúvida, a pergunta que eu mais ouço. E é a pergunta que me deixou em pânico durante a faculdade, visto que eu realmente não sei desenhar.

    Dependendo da área que você quer trabalhar, desenhar vai sim ser necessário: projetos de produto, interiores, moda, ilustração (e outros), vão exigir sim uma habilidade de desenho. Mas é completamente possível sobreviver sem saber desenhar em outras áreas como o design editorial e até mesmo criação de marcas e peças gráficas.

    Eu não tive necessidade de um curso de desenho. Tive duas matérias de desenho na faculdade que foram mais do que tortura suficiente pra mim. Mas a necessidade ou não de buscar um curso por fora (seja de desenho, ou para aprender um software específico) vai da necessidade e vontade de cada aluno.

     

    A faculdade é cara? E os materiais?

    Eu fiz o curso em uma universidade pública, então realmente não tenho a menor ideia sobre o valor médio do curso em faculdades particulares no momento. Quando prestei o vestibular, pesquisei algumas faculdades particulares e vi que os valores variavam muito de uma faculdade para a outra, então tem que pesquisar direitinho suas opções.

    Os materiais são, de modo geral, um tanto quanto caros. Especialmente se você considerar que computador é um material indispensável. Mas também são pedidos vários materiais que serão pouco usados, então a dica é sempre conversar com alguns veteranos, perguntar o que realmente é necessário e se as turmas anteriores não estão se desfazendo de materiais bons e que vão te poupar de gastar dinheiro à toa.

     

    Qual a diferença entre as áreas de design? Qual é o leque de atividades que um designer pode exercer?

    As vertentes mais conhecidas / populares do design são: gráfico, produto (também conhecido como industrial), moda, interiores e games. Mas cada uma dessas pode ter diversas sub-divisões. O design gráfico, por exemplo, pode ser dividido em duas macro-áreas: digital e impresso.

     

    Você acha que a faculdade lhe deu direções para que caminho do design seguir?

    No meu caso, tive que escolher na hora de prestar o vestibular. Entretanto, no meio do caminho o currículo da minha universidade mudou e passou a admitir alunos para uma formação generalista, em que cada aluno montaria sua especialização escolhendo os projetos na(s) área(s) que tivesse interesse. Eu me mantive na área do gráfico, mas essa formulação diferente do currículo permitiu a possibilidade de experimentar um pouco de tudo.

     

    Como você enxerga a área do design no Brasil?

    Eu vejo que é uma área que tem bastante variação de uma região para outra do país. Em Florianópolis vejo que as pessoas entendem bem melhor o que é e qual a necessidade do design do que em Sorocaba, por exemplo. Mas como ainda há muito desconhecimento sobre as atribuições e sobre a importância da presença do designer na equipe de uma empresa, há muita procura pelo bom e velho profissional super-herói: você tem que dominar todas as ferramentas existentes e ser bom em todas as áreas (e aceitar receber pouco, extrapolar as horas de trabalho, etc). Também tem muita empresa que acha que contratar um designer é bobagem por ah, o filho da minha vizinha faz uma artezinha pra mim no Photoshop. Então é uma coisa que exige um pouco de paciência e didática da parte dos profissionais da área em “educar” as empresas, clientes e etc. Mas, especialmente a área de digital e games estão em crescimento e ainda têm muito espaço de crescimento. (Mas a criatura aqui tinha mesmo é que gostar de fazer livro, então chora em crise achando que vai morrer sem trabalho)

     

    Qual a diferença entre design e publicidade?

    A publicidade pode ser definida como a promoção de determinado produto ou serviço através dos meios de comunicação social, ou mesmo como a própria mensagem que publicita tal produto ou serviço. Enquanto o foco do estudo publicitário é a comunicação, o designer estuda afundo metodologias para realização de um projeto, de modo que, ao final deste, possa justificar com prioridade todas as escolhas tomadas que levaram ao resultado final.

    O publicitário sabe como trabalhar uma linguagem conotativa de modo a persuadir o consumidor, sabe quais as mídias mais eficazes para cada tipo de anunciante, mas a linguagem verbal é – muitas vezes – o ponto fraco do designer. Frequentemente um designer preferirá criar uma peça que traduza bem os conceitos pretendidos sem utilizar um texto.

    Outra diferença que costuma incomodar designers e publicitários é seu método de trabalho. Enquanto na publicidade os resultados finais da campanha justificam os meios, no design os objetivos constroem os meios. Alexandre Wollner, um conceituado designer brasileiro, diz que “o trabalho dos publicitários tem alto impacto e vida curta, enquanto o do designer tem baixo impacto e vida longa”.

     

     

    E aí, faltou algo?

    Se você tem alguma dúvida sobre a faculdade / profissão, deixa aqui nos comentários que vou tentar responder da melhor forma possível (:


    Compartilhe:
    Comente: