Acompanhe:
Comportamento

Precisamos falar sobre sororidade

(créditos de imagem desconhecidos)

(créditos de imagem desconhecidos)

Com todo esse turbilhão de informação que tem pipocado – pelo menos nas minhas – redes sociais, a palavra “sororidade” se repete mais e mais.

Mas o que é, exatamente, sororidade?

Eu queria colocar aqui uma definição de um dicionário “oficial”, mas acaba que nem o Houaiss nem o Aurélio encontram definição para a palavra. Basicamente, sororidade é a irmandade entre mulheres. “É estender a mão e erguer a outra. É segurar a mão da outra e não soltar, mesmo que caia junto com ela. Sobretudo, é respeito de irmã para irmã.” (disse a Graziele Rodrigues aqui. Ela também comenta um pouco sobre o uso da palavra sororidade como “muleta” para se defender de críticas depois de ter agido de forma preconceituosa, então vale ler o texto dela também! (: )

Nós somos criadas, desde pequenas, como rivais. Sua amiga é, também, sua concorrente. Quer um exemplo: O homem trai a esposa e acaba se separando. Quem leva a culpa? A “outra”. Ela que roubou fulado de ciclana. Não foi o fulano que foi um babaca. E, para vencer toda essa ideia de que mulher é tudo bicho louco, é preciso que todas as mulheres se unam. “Temos que nos unir, apoiar umas as outras, não deixar eles saírem por aí machucando ninguém, não deixar nenhuma mentira passar, levantar e mandar um belo “cala a porra da tua boca” quando eles vierem acusar a outra de louca, vamos avisar pros coleguinhas que o gaslighting não cola mais, que a intriguinha já acabou e que somos bem melhores do que isso.” (Clariana Leal, no Lugar de Mulher)

Mulher nenhuma vai conseguir, sozinha, destruir toda a opressão da sociedade patriarcal. Mas quando todas entenderem que seu papel é ao lado uma da outra e não competindo pelo que quer que seja, aí nós temos uma chance. Então lembre-se: chega de falar “inimiga”, chega de julgar a outra por sua roupa ou seu comportamento. Se policie para evitar xingamentos e, especialmente, xingamentos machistas (vadia, puta, mal-comida, etc).

"O sucesso dela não é seu fracasso" (arte por Ambivalently Yours - Creative 6)

“O sucesso dela não é seu fracasso” (arte por Ambivalently Yours – Creative 6)

Um exemplo legal de “materialização” da sororidade é o movimento Vamos Juntas, que evidencia a insegurança que mulheres sentem ao andar na rua sozinhas – seja pela localização, falta de iluminação, horário ou o que quer que seja – e incentiva a aproximação para que ambas se sintam mais seguras. Alguns dos relatos na página comentam inclusive situações mais graves, em que uma mulher foi livrada de uma situação mais perigosa – uma perseguição, por exemplo – pela solidariedade de outra mulher.

(créditos de imagem desconhecidos)

(créditos de imagem desconhecidos)

Outro exemplo incrível que mostrou claramente como a nossa união faz com que machistas se apavorem completamente foi o movimento #meuamigosecreto, que circulou pelas redes sociais (principalmente pelo Facebook) e, de novo, vou citar o Lugar de Mulher:

Por que algo aparentemente bobo e inofensivo viralizou e se tornou uma forma de desabafo de muitas mulheres? Porque estamos cansadas, caras. Cansadas de assédio, de machismo explícito ou velado, de ter nossas atitudes julgadas simplesmente porque somos mulheres, de incoerência entre discurso e prática. Estamos exaustas. E estamos unidas. Isso apavora os homens machistas. Isso apavora todos os homens, pra falar bem a verdade. A união de mulheres causa desconforto nos caras.O que sempre se disseminou era intriga, inveja, tapetes puxados e falsidade. Mulher não é amiga de mulher. Mulher não apoia mulher. Fomos criadas assim. Mas isso está mudando. (…) “Quanta raiva!”, dirão alguns. Mas é claro que estamos com raiva. Você não estaria com raiva se percebesse que coisas que você tinha como “normais” são parte de um sistema de dominação que quer que você siga calada? (Clara Averbuck, no Lugar de Mulher)

 

Pra resumir:

Sabe aquela história de “unidos venceremos”? Então. É por aí.

Como eu tenho a impressão que o público do blog é, em sua maioria, mais iniciante neste tipo de discussão, quis deixar o post mais leve. Pra quem quiser aprofundar a leitura e discussão, deêm uma olhada nos links abaixo:

Afinal, o que é sororidade (Festival Marginal)
Vamos falar sobre sororidade (Lugar de Mulher)
Previsamos falar sobre gaslighting (Lugar de Mulher)
Movimento Vamos Juntas (Vamos Juntas)
#meuamigosecreto e a união das mulheres (Lugar de Mulher)
Feminismos e sororidades: ecos contra o patriarcado (4 you revista)

Pra fechar:

"Rosas são vermelhas, violetas são azuis. Eu realmente amo destruir o patriarcado com você." (Lemon Sucker - Etsy)

“Rosas são vermelhas, violetas são azuis. Eu realmente amo destruir o patriarcado com vocês.” (Lemon Sucker – Etsy)


Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

16 Comentários

  • Responder Livia

    adorei o post, eu confesso que ainda nao conhecia essa palavra. e realmente está cada vez mais dificil ver isso entre as mulheres, temos que nos unir, e nao tentar nos destruir

    http://www.tofucolorido.com.br
    http://www.facebook.com/blogtofucolorido

    18.01.2016 às 12:06
  • Responder Gih

    Se é difícil achar até no dicionário, quem dirá na vida real.
    Existem muitos tipos diferentes de violência contra a mulher, e nós apoiarmos ainda é a melhor forma de acabar com isso.
    Kisses

    18.01.2016 às 13:21
  • Responder Cris

    Acho muito importante mesmo nós mulheres nos unir, porque somos criadas de forma errada e julgamos por isso. Está mais do que na hora de reconhecer isso como algo errado e mudar.
    Beijos! =**

    18.01.2016 às 13:42
    • Responder Ana P.

      Com toda certeza, @Cris! É muito importante se unir para lutarmos juntas contra tudo que nos oprime (:

      18.01.2016 às 13:56
  • Responder Tamirez

    Muito bom o texto e muito legal ver o Vamos Juntas? que é um projeto de uma menina super querida aqui de Poa, ser mencionado!
    Acho super importante a união das mulheres na defesa de suas causas e no apoio mútuo, pena que é difícil isso acontecer de forma sincera e natural. Parece que o “comum” é haver a rixa ou a competição e isso não é de forma saudável. Acho que a forma como as meninas são criadas e as hostilizações desde pequena por outra meninas ou por ter que estar sempre de vestido e bonitinha começa a criar essa desunião desde cedo.

    O mundo precisa de união, e como precisamos começar por algum lugar, por favor, que sejam as mulheres dando o exemplo.

    Beeijo
    Resenhando Sonhos

    18.01.2016 às 14:22
    • Responder Ana P.

      @Tamirez, somos criadas desde pequenas em uma disputa constante contra as outras mulheres, então encaramos como “comum” isso tudo, que realmente não é nada saudável.

      Beijo!

      19.01.2016 às 11:12
  • Responder Adriel Christian

    oi, oi.

    tu disse uma coisa super importante no post: ngm chegará a lugar algum sem a ajuda do outro, e isso não vale somente no mundo das mulheres, mas para todos, independente de sexo. eu ainda sonho com um mundo em que todos nós seremos unidos e venceremos qualquer batalha. mas, o problema é que a maioria das pessoas estão acostumadas em só enxergar tudo de longe e não entrar na luta…

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    18.01.2016 às 19:47
    • Responder Ana P.

      @Adriel Christian, com toda certeza essa união deve existir independente do sexo. Focamos no assunto da sororidade e união das mulheres contra o machismo em específico.
      Acho que antes de entrar no mérito de “enxergar tudo de longe e não entrar na luta”, tem muita gente por aí que sequer enxerga os problemas do mundo. :~

      Beijos!

      19.01.2016 às 11:14
  • Responder Lívia

    Amei muito esse “cartaz” no final do post <3
    Tudo que aprendi sobre sororidade foi através do Lugar de Mulher e do Vamos Juntas. Parabéns por trazer mais esse tema pra cá!
    Um beijo.

    19.01.2016 às 08:39
    • Responder Ana P.

      @Lívia, adorei também esse “cartaz” <3 Quando encontrei sabia que precisava incluir no fim do post haha

      Pois é, o Lugar de Mulher foi o responsável por, sei lá, 70% do meu conhecimento sobre feminismo, sororidade e todos os assuntos relacionados. Todo o conteúdo lá é incrível! <3

      Beijos!

      19.01.2016 às 11:15
  • Responder Camila Faria

    Oi Ana, obrigada pelo texto incrível! Por um mundo com mais sororidade e amor entre as mulheres!!!

    19.01.2016 às 17:13
  • Responder Jeh Asato

    Oi Ana, tudo bem? Acho que esse é o primeiro post seu que leio aqui no QM e amei, sério! Muito obrigada por compartilhar algo tão útil pra gente aqui!
    Olha, eu acredito que a gente tenha que se unir mesmo. Mas como você disse não é trabalho pra uma ou duas, mas pra todas. O problema é que nossa cultura já é toda errada, então pra trabalharmos nessa inversão e conversão vai levar tempo. A gente precisa de paciência até lá. E não perder o foco. Mas parece que ninguém tá tão a fim de se unir – como você mencionou no post e eu concordo plenamente – é mais fácil e talvez divertido se opor à outra.
    Tem uma blogueira que mexe muito com esse negócio de xingamentos contra a “outra”. E é bem isso mesmo, né? Parece que é mais fácil a gente culpar a mulher por dar em cima do nosso namorado do que tentar entender ou pôr um limite respeitável na situação.

    Gostei muito do post e obrigada por compartilhar a palavra sororidade, bonita né?
    :*

    22.01.2016 às 02:59
    • Responder Ana P.

      Oi @Jeh Asato, tudo bem, e contigo?
      Bem vinta ao QM então! (:
      Pois é, haja paciência para conseguir romper com toda essa carga que a sociedade atual joga pra cima da gente.

      Sobre a “rivalidade”, é que é sempre tão difícil ver e assumir os erros em nós mesmas e em quem a gente ama não é? Dai fica mais fácil apontar o dedo e dizer que fulana é a culpada.

      :*

      25.01.2016 às 22:49
  • Responder Clayci

    Eu não conhecia a palavra em si, mas o significado e a causa ^^
    E adorei saber mais a respeito!

    22.01.2016 às 11:34
  • Deixe uma Resposta