Acompanhe:
Livros

Tá todo mundo mal — Jout Jout

jout-joutTítulo: Tá todo mundo mal
Autora: Jout Jout
Primeira publicação: 2016
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2016
Páginas: 200
Classificação: 5/5
Skoob | Goodreads

Sinopse: Do alto de seus 25 anos, Julia Tolezano, mais conhecida como Jout Jout, já passou por todo tipo de crise. De achar que seus peitos eram pequenos demais a não saber que carreira seguir. Em Tá todo mundo mal, ela reuniu as suas “melhores” angústias em textos tão divertidos e inspirados quanto os vídeos de seu canal no YouTube, “Jout Jout, Prazer”. Família, aparência, inseguranças, relacionamentos amorosos, trabalho, onde morar e o que fazer com os sushis que sobraram no prato são algumas das questões que ela levanta. Além de nos identificarmos, Jout Jout sabe como nos fazer sentir melhor, pois nada como ouvir sobre crises alheias para aliviar as nossas próprias.

~

Acho que todo mundo que está na internet deve ter, no mínimo, ouvido falar de Jout Jout. Seja por vídeos incríveis sobre temas polêmicos como “Não tira o batom vermelho” (que já está perto das 2.500.000 visualizações), ou vídeos igualmente incríveis sobre nada em específico como o meu favorito:

(sério, tá até no spotify. eu amo essa música)

Jout Jout faz sucesso, ao meu ver, por ser exatamente “gente como a gente”. Isso a coloca próxima ao público, torna a identificação fácil e a transmissão de mensagem mais efetiva.

E é meio que por isso que, quando ela lançou seu livro “Tá todo mundo mal”, em vez de pensar “ugh, mais um livro de youtuber”, eu quis muito comprar. Por isso e pelo título. Afinal, quem é que não tá mal?

O livro é um compilado de melhores / piores crises de Jout Jout. E, apesar de serem crises bem específicas, são completamente identificáveis. Crise de amor? Tem. Crise que era ter um Tamagotchi? Tem. Crise da ausência de talentos? Tem também.

Jout Jout aborda todo tipo de temas. Desde crises construídas pela socidade  (como a “crise do medo da possibilidade de um estupro”) a crises que saem sabe-se lá como de dentro da nossa cabeça (“crise de não conseguir devolver as coisas dos outros”), passando por crises que talvez você jamais esperasse que fossem reveladas publicamente (“crise dos puns quentinhos” e “crise do sexo da vida real” são alguns bons exemplos dessas).

Esse é um daqueles livros gostosinhos que você lê para descansar a cabeça depois de um dia cansativo ou, como foi meu caso, depois de um livro que exige muito da sua cabecinha.

Se você já assistiu uma boa quantidade de vídeos de Jout Jout, sua mente provavelmente vai lhe fazer o favor de ler cada uma das crises da forma correta, visualizando até a expressão que Júlia faria se estivesse contando a mesma crise em vídeo. E isso torna a leitura ainda mais leve.

O grande desafio é, na verdade, não ler o livro todo em uma só sentada.

(Vou chamar essa de “A crise da leitura compulsiva”)

Onde encontrar: Amazon | Submarino | Americanas | Saraiva | Livraria Cultura

52 Livros em 52 Semanas


Compartilhe:
Comente:
Post Anterior Próximo Post

Você também pode gostar de:

8 Comentários

  • Responder Pamella Ferrarez

    Olá!

    Já vi alguns vídeos da Jout Jout por aí, mas confesso que nunca acompanhei ela e nem vi muitos vídeos.
    Acho super legal ela falar de temas polêmicos e que as vezes são até Tabu em nossa sociedade.
    O livro deve ser mesmo delicioso e divertido.

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    16 de setembro de 2016 às 08:47
    • Responder Ana P.

      Oi Pâmella!
      Eu não acompanho mais a Jout Jout no youtube com tanta frequencia como antes, mas acho o jeito dela abordar as coisas incrível!

      Beijos!

      11 de outubro de 2016 às 20:48
  • Responder VANESSA BRUNT

    Que resenha deliciosa! Não acompanho muito a Jout Jout, mas adoro as reflexões que ela agrega em diversas temáticas e imagino que o livro tenha alguns teores críticos bem interessantes. Apesar da minha visão em relação a ‘livros de youtubers que não, de fato, escritores’ (porque sim, existem alguns que sempre foram loucos pela escrita como forma de desabafo e esses merecem demais!), creio que pelas vertentes reflexivas dela, a obra seja de uma profundidade surpreendente. Adorei a indicação por aqui!

    http://www.semquases.com

    17 de setembro de 2016 às 09:57
    • Responder Ana P.

      Oi Vanessa! Que bom que gostou da resenha <3
      Eu também torço bastante o nariz pra esse tanto de livro de youtuber que só foi publicado porque tem uma legião de seguidores (em vez de qualidade editorial). Mas gostei bastante do que a Jout Jout apresenta no livro! <3

      11 de outubro de 2016 às 20:50
  • Responder Clayci

    Ana agora que eu estou lendo sua resenha, me lembrei da nossa conversar sobre o excesso de resenha sobre o livro haiuhauihaiuhiahiuahuaihuiahiuah.
    Mas eu gostei da sua sim e agora senti vontade de ler o livro aeeeeeee

    18 de setembro de 2016 às 13:48
  • Responder Natalia

    É verdade, o livro é tão gostoso e leve que você termina rapidinho né?
    Eu terminei de ler esta semana <3

    19 de setembro de 2016 às 10:17
    • Responder Ana P.

      Sim! <3 Pelo jeito tu também gostou né? haha

      11 de outubro de 2016 às 20:51

    Deixe uma Resposta